Análise: NieR Replicant ver.1.22474487139…

Em 2010, a Square Enix lançou um RPG de ação chamado NIER, que rapidamente ganhou o status de “excelência desconhecida” por alguns aspectos ousados, a despeito de vários defeitos. Agora, com o sucesso de NieR:Automata, o exótico diretor Yoko Taro decidiu resgatar o jogo na forma de NieR Replicant ver.1.22474487139… O novo título remasteriza a parte técnica do original ao mesmo tempo em que melhora mecânicas e introduz conteúdo novo. O resultado é algo simultaneamente novo e familiar, mas que ainda se apoia em muitos problemas do passado. Continue Lendo “Análise: NieR Replicant ver.1.22474487139…”

Análise: Smelter

Smelter tem uma premissa no mínimo curiosa: Eva se funde a uma criatura para obter poderes especiais a fim de encontrar Adão, que desapareceu depois de um estranho evento. Essa trama maluca é explorada em uma aventura que se divide em estágios de plataforma tradicionais e em trechos de estratégia em tempo real, que se relacionam constantemente. Claramente inspirado em Mega Man X e Actraiser, este indie se destaca com a grande diversidade de conteúdo e criatividade, por mais que falte equilíbrio entre alguns de seus elementos. Continue Lendo “Análise: Smelter”

Análise: Genesis Noir

Em Genesis Noir, acompanhamos um homem que tenta impedir o Big Bang para salvar o seu amor. Para isso, ele explora a história do universo em uma série de trechos com puzzles e cenas inusitadas. Um visual impactante, música bem colocada e muitos momentos criativos são os pontos altos do jogo, que lembra mais um filme surreal interativo por causa de suas mecânicas simples. Como boa parte das obras experimentais, para aproveitar o jogo é importante estar disposto a aceitar a atmosfera absurda, que não está livre de problemas. Continue Lendo “Análise: Genesis Noir”

Análise: Narita Boy

Um mundo digital está em perigo e a única esperança é o herói conhecido como Narita Boy. Com a ajuda de uma espada especial, o guerreiro enfrentará seres criados por um código-fonte corrompido em uma aventura por um reino surreal. O jogo usa elementos dos anos 1980 para oferecer uma experiência moderna com ares retrô, sendo o seu maior destaque a ambientação elaborada. O título se perde um pouco com a falta de foco e alguns elementos desinteressantes, mas, no geral, é bem envolvente. Continue Lendo “Análise: Narita Boy”

Análise: Foregone

Foregone parece ter vindo direto do passado, a despeito de apresentar elementos modernos. Na pele de uma guerreira, exploramos um mundo em conflito em uma jornada de ação 2D bastante direta. O foco é saltar por cenários e golpear inimigos, mas há outros sistemas para trazer complexidade, como equipamentos com diferentes propriedades e árvores de habilidades. Infelizmente, vários problemas e limitações fazem com que o título seja uma experiência nada memorável. Continue Lendo “Análise: Foregone”

Análise: Curse of the Dead Gods

Em Curse of the Dead Gods, um aventureiro está preso em um estranho templo e para escapar ele precisará superar inúmeros desafios mortais. O jogo é um dungeon crawler focado em combate com várias mecânicas interessantes, como a inclusão gradual de maldições que deixam as jornadas mais desafiadoras. Elementos de roguelite trazem diversidade às partidas, assim como grande quantidade de equipamentos. Fora algumas pequenas limitações, o jogo é uma experiência sólida, brutal e viciante. Continue Lendo “Análise: Curse of the Dead Gods”

Análise: Olija

Um náufrago preso em um estranho mundo é a premissa principal de Olija, jogo de ação e plataforma produzido pelo estúdio indie Skeleton Crew Studio. Claramente inspirado em clássicos como Out of This World (também conhecido como Another World), o título combina exploração, puzzles e narrativa cinematográfica para criar um universo instigante. Há boas ideias no decorrer da jornada, porém o subdesenvolvimento de vários aspectos impedem que o real potencial do jogo seja explorado. Continue Lendo “Análise: Olija”

Análise: Cyber Shadow

Em Cyber Shadow, um tirano devastou o mundo e a única esperança é um ninja transformado em ciborgue. O jogo oferece uma aventura de ação e plataforma focada em velocidade e precisão que resgata e atualiza mecânicas clássicas da era 8 bits. Controles fluidos, grande variedade de desafios pelos estágios e um mundo construído com esmero resultam em uma experiência empolgante e muito divertida.

Continue Lendo “Análise: Cyber Shadow”

Análise: Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition

Scott Pilgrim, personagem que surgiu nos quadrinhos de Bryan Lee O’Malley, alcançou visibilidade com a adaptação cinematográfica exagerada e divertida. Para acompanhar o longa, a Ubisoft produziu um jogo que, infelizmente, foi retirado das lojas online depois de alguns anos. Isso foi mudado com o Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition, relançamento do beat ‘em up para as plataformas modernas. Continue Lendo “Análise: Scott Pilgrim vs. The World: The Game – Complete Edition”

Análise: Ori and the Will of the Wisps

Ori and the Will of the Wisps, continuação do aclamado metroidvania Ori and the Blind Forest, parece, em um primeiro momento, conservador: o visual continua impressionante e o protagonista ainda se move com uma fluidez excepcional. No entanto, bastam alguns poucos momentos para perceber que a experiência é bem distinta, pois muitas mecânicas e conceitos foram expandidos ou completamente retrabalhados. O resultado é uma aventura simultaneamente familiar e inédita, sem deixar de ser envolvente e muito divertida. Continue Lendo “Análise: Ori and the Will of the Wisps”