Análise: Romancing SaGa 3

Romancing SaGa 3 é um RPG lançado originalmente para SNES em 1995 no Japão. Assim como outros jogos da franquia, o título se destaca com muitos elementos experimentais e nada usuais, ainda mais quando levamos em conta a época do lançamento original. Agora, pela primeira vez, o jogo chega ao Ocidente de forma oficial em uma versão remasterizada e com alguns extras, sendo uma ótima oportunidade para experimentar um dos melhores títulos da exótica série de JRPGs.

Continue Lendo “Análise: Romancing SaGa 3”

Análise: Sparklite

Sparklite é um jogo de ação e aventura que se passa em um planeta cuja topografia se altera constantemente. O título se inspira em vários clássicos, como The Legend of Zelda, e adiciona algumas ideias em voga, como características de roguelike. O visual caprichado, uma atmosfera charmosa e boas ideias chamam a atenção em um primeiro momento, mas aos poucos a experiência se revela desinteressante por causa da execução rasa de várias mecânicas e conceitos. Continue Lendo “Análise: Sparklite”

Análise: Indivisible

A desenvolvedora Lab Zero Games é conhecida pelo jogo de luta Skullgirls, que tem como um de seus maiores destaques o visual elaborado com gráficos 2D desenhados à mão. Em seu segundo projeto, a equipe decidiu explorar o gênero RPG, e assim surgiu Indivisible. O jogo usa como inspiração a série Valkyrie Profile para criar um combate dinâmico e com ares de ação, além de apresentar também um extenso mundo para explorar. A ideia era promissora, e depois de inúmeros anos em desenvolvimento o título foi finalmente lançado. A parte técnica é impecável, no entanto muitos aspectos subdesenvolvidos fazem com que Indivisible nunca alcance seu real potencial.

Continue Lendo “Análise: Indivisible”

Análise: Fight’N Rage

Fight’N Rage parece um jogo da era 16 bits com seu visual em pixel art e mecânicas já conhecidas de beat ‘em ups, ou seja, descer a porrada em todos os inimigos que aparecerem pelo caminho. No entanto, o título vai além e moderniza vários conceitos do gênero na forma de um sistema de luta variado e ágil. Esses detalhes, em conjunto com uma quantidade extensa de conteúdo e parte técnica impecável, fazem com que Fight’N Rage seja uma experiência excepcional — o considero um dos melhores beat ‘em ups que joguei até hoje. O jogo fica ainda mais impressionante quando você descobre que ele foi produzido por um único desenvolvedor, afinal o título transborda qualidade e conteúdo. Continue Lendo “Análise: Fight’N Rage”

Análise: Overland

Um mundo devastado tomado por criaturas bizarras é o cenário de Overland. Neste título indie, acompanhamos um grupo de sobreviventes que tenta encontrar um local seguro em meio ao caos em uma mistura de puzzle, estratégia e sobrevivência. Há algumas ideias e mecânicas interessantes, porém sistemas obtusos, andamento imprevisível e dificuldade muito acentuada atrapalham a experiência. Continue Lendo “Análise: Overland”

Análise: Wand Wars

Feiticeiros e outras criaturas mágicas (ou não) se enfrentam em Wand Wars, título independente com foco em partidas multiplayer. O objetivo é rebater uma esfera mágica e tentar acabar com os oponentes em batalhas acirradas e repletas de reviravoltas. Com regras fáceis de entender, muitos modos de jogo e uma atmosfera carismática, o título oferece uma experiência divertida e ótima para curtir com amigos. Continue Lendo “Análise: Wand Wars”

Análise: Blasphemous

Um reino grotesco dominado por uma religião distorcida é o cenário de Blasphemous, título de ação e plataforma com aspectos de metroidvania produzido pelo estúdio espanhol The Game Kitchen. Na pele de um guerreiro que busca redenção, exploramos um grande mundo repleto de criaturas grotescas, batalhas complicadas e muitos desafios. Uma ambientação exótica, sistemas de qualidade e dificuldade acentuada fazem com que Blasphemous se destaque em uma experiência intensa e arrebatadora. Continue Lendo “Análise: Blasphemous”

Análise: Creature in the Well

O conceito principal de Creature in the Well é no mínimo criativo. Em um primeiro momento ele parece uma simples aventura de exploração de calabouço com visão aérea, no entanto o local está repleto de desafios fortemente inspirados em máquinas de pinball. O resultado é um jogo bem diferente e interessante, mas que perde o fôlego com o passar do tempo. Continue Lendo “Análise: Creature in the Well”

Análise: Moonlighter — Between Dimensions

Em Moonlighter acompanhamos Will, um rapaz que cuida de uma loja de dia e explora calabouços em busca de mercadorias durante a noite. Between Dimensions é a primeira expansão paga do jogo e tem como novidades a inclusão de um novo calabouço, itens inéditos, trechos de história e mais. O pacote não traz conteúdo muito diferente do jogo base, mas não deixa de ser um ótimo incentivo para revisitar a vida dupla de Will. Continue Lendo “Análise: Moonlighter — Between Dimensions”

Análise: LOST ORBIT: Terminal Velocity

Um astronauta à deriva no espaço é o protagonista de LOST ORBIT: Terminal Velocity. Com equipamentos limitados, o personagem precisa deslizar e esquivar de perigos a fim de voltar para casa. Com conceitos simples e alguma variedade, o título indie oferece uma boa experiência arcade. Continue Lendo “Análise: LOST ORBIT: Terminal Velocity”