Meus jogos favoritos de 2018

Meu 2018 foi frenético: conferi mais de 40 títulos nesse último ano. A maioria deles foram jogos indies e conheci muita coisa interessante, como a inusitada aventura minimalista Minit, a mistura de corrida e beat’em up Speed Brawl e a vida dupla de explorador e mercador em Moonlighter. Infelizmente acabei não experimentando jogos grandes que eu tinha interesse, como God of War e Octopath Traveler, no entanto consegui jogar algumas poucas coisas pendentes de 2017, como o excelente NieR:Automata. Continue Lendo “Meus jogos favoritos de 2018”

Anúncios

Análise: Sundered: Eldritch Edition (Multi)

Os trabalhos do escritor H.P. Lovecraft exploram o horror cósmico, trazendo uma sensação de inquietação e tensão em face de criaturas de outro mundo. Sundered: Eldritch Edition usa Lovecraft como inspiração para criar uma atmosfera desconcertante em que a heroína precisa enfrentar grandes grupos de criaturas bizarras ao mesmo tempo em que explora um local sombrio. A combinação de fatores resulta em um metroidvania difícil e único repleto de mecânicas e ideias insólitas. Continue Lendo “Análise: Sundered: Eldritch Edition (Multi)”

Análise: Desert Child (Multi)

Em Desert Child a Terra se tornou inabitável e a aqueles que conseguem pagar a passagem se mudaram para Marte. Lá, a febre são as corridas de hoverbike: competições frenéticas em que os participantes usam de todas artimanhas possíveis para poder vencer. Combinando aspectos de corrida e aventura, o título traz uma experiência inusitada em um mundo estiloso influenciado por obras como Cowboy Bebop e Redline. Continue Lendo “Análise: Desert Child (Multi)”

Análise: Monster Boy and the Cursed Kingdom (Multi)

Uma das séries clássicas da Sega comumente lembrada pelos jogadores é Wonder Boy. Nela, um cavaleiro sai em uma jornada para salvar uma princesa ou até mesmo o mundo. Os títulos da franquia são majoritariamente de plataforma, porém há também a presença de outras características, como shoot’em up e até mesmo metroidvaniaMonster Boy and the Cursed Kingdom é uma continuação espiritual de Wonder Boy e tem como protagonista um herói capaz de se transformar em várias criaturas em uma aventura de plataforma. Tecnicamente impecável e muito variado, o jogo oferece uma experiência excepcional e divertida.
Continue Lendo “Análise: Monster Boy and the Cursed Kingdom (Multi)”

Análise: Super Hydorah (Multi)

Super Hydorah é um shoot’em up de progressão lateral claramente inspirado em clássicos do passado, como Gradius. Mesmo usando títulos de outrora como base, o jogo apresenta várias ideias únicas e bem executadas, sendo seu grande destaque a diversidade de situações. E como é de praxe, a jornada é bem difícil, porém muito recompensadora. Continue Lendo “Análise: Super Hydorah (Multi)”

Análise: The Bug Butcher (Multi)

Insetos estão invadindo um laboratório e explodi-los é a única solução em The Bug Butcher. Para isso, o personagem vai atirar em tudo que se mexe em uma jogabilidade com uma limitação curiosa: só é possível mirar para cima. O título usa o clássico Super Pang como inspiração e moderniza os conceitos em uma aventura vibrante, frenética e divertida. Continue Lendo “Análise: The Bug Butcher (Multi)”

Análise: Full Metal Furies (Multi)

 

A Terra foi devastada por uma grande guerra entre Titãs e um grupo de garotas decide acabar com o conflito derrotando os seres mitológicos. Full Metal Furies usa a mitologia grega em um jogo de pancadaria beat’em up que se destaca por exigir a colaboração contínua entre os jogadores: cada uma das heroínas tem funções e habilidades bem distintas que se complementam. Com leves aspectos de RPG e dificuldade acentuada, Full Metal Furies retoma e moderniza o gênero. Continue Lendo “Análise: Full Metal Furies (Multi)”

Análise: Starlink: Battle for Atlas (Multi)

A premissa de Starlink: Battle for Atlas é bem ambiciosa. No novo jogo de ação e aventura da Ubisoft, controlamos uma equipe de pilotos em uma aventura por um universo vibrante com mecânicas de mundo aberto e customização. Um dos destaques do título é a inclusão do conceito toys to life, ou seja, miniaturas físicas que afetam o jogo — naves, pilotos e armas, nesse caso. O resultado é uma experiência divertida, por mais que alguns problemas impedem que ela seja memorável. Continue Lendo “Análise: Starlink: Battle for Atlas (Multi)”

Análise: Mega Man 11 (Multi)

Depois de oito anos sem nenhum novo jogo, o bombardeiro azul da Capcom retorna em Mega Man 11. A nova aventura do robô se concentra em explorar os conceitos que sempre foram destaque na série, ou seja, ação e plataforma por estágios bem difíceis. A atmosfera é clássica, porém o visual caprichado e novas mecânicas revitalizam a experiência sem modificar demais os conceitos principais. O resultado é um jogo divertido e intenso, que passeia entre passado e presente constantemente. Continue Lendo “Análise: Mega Man 11 (Multi)”

Análise: Speed Brawl (Multi)

Para entreter o povo em uma Londres steampunk em um universo alternativo, os governantes criaram o Speed Brawl, uma competição em que lutadores precisam derrotar oponentes rapidamente em um circuito repleto de perigos. Misturando conceitos de beat’em up e corrida, o título apresenta boas ideias e ação acelerada, resultando em uma experiência ímpar e muito divertida. Continue Lendo “Análise: Speed Brawl (Multi)”