Análise: Ruiner

Cores neon e violência brutal são constantes em Ruiner, jogo de tiro indie produzido pelo estúdio polonês Reikon Games. No controle de um atirador que mata todos aqueles que aparecem pela frente, atravessamos um estiloso mundo cyberpunk em uma história de resgate e vingança. Uma atmosfera ímpar e tiroteios frenéticos são os destaques do título, mas faltou um pouco de variedade de conteúdo. Lançado anteriormente para outras plataformas, o jogo chega ao Switch em uma adaptação sólida.

Continue Lendo “Análise: Ruiner”

Análise: Alwa’s Legacy

Em Alwa’s Legacy, desbravamos um grande mundo na companhia de uma feiticeira. O foco da aventura é resolver puzzles, mas há também ação e plataforma, o que torna o andamento ágil e variado. Além disso, a progressão é mais livre do que em outros jogos do gênero, e muitos segredos incentivam explorar com cuidado cada canto. Estas características, em conjunto com gráficos em pixel art e música no estilo chiptune, fazem com que a experiência seja repleta de nostalgia e empolgação. Continue Lendo “Análise: Alwa’s Legacy”

Análise: West of Dead

Um pistoleiro em um purgatório em constante alteração é o protagonista de West of Dead, jogo indie de tiro controlado por duas alavancas. Combates intensos que combinam tática, destreza e uso inteligente do cenário como cobertura contra ataques são constantes no título, que conta com várias situações em que a morte está por um fio. Elementos de roguelike trazem variedade ao mundo do jogo, cuja ambientação mistura Velho Oeste e sobrenatural em um visual impactante. Talvez ele seja conservador demais em alguns aspectos, porém não deixa de ser uma experiência notável. Continue Lendo “Análise: West of Dead”

Análise: Project Starship X

Um grupo de heróis enfrentando versões cômicas de criaturas do horror cósmico clássico é o foco de Project Starship X. Este shoot ‘em up vertical conta com um conceito principal bastante simples, no entanto uma boa diversidade de situações espalhadas por vários estágios de ação frenética o torna bem interessante. Depois de algumas partidas ele fica um pouco repetitivo, mas é divertido enquanto dura. Continue Lendo “Análise: Project Starship X”

Análise: Skelattack

Um simpático esqueleto guerreiro é o protagonista de Skelattack, título de ação 2D inspirado em clássicos da era 16-bits. O primeiro trabalho do estúdio indie Ukuza chama a atenção com o belo visual desenhado, ambientação carismática e boa interpretação de conceitos de plataforma em trechos de dificuldade acentuada. No entanto, uma série de problemas e decisões estranhas atrapalham a experiência profundamente. Continue Lendo “Análise: Skelattack”

Análise: Shantae and the Seven Sirens

Os jogos da série Shantae, que são criação do estúdio indie WayForward, se apoiam em um mundo colorido, personagens carismáticos e mecânicas de plataforma ágeis. Shantae and the Seven Sirens, o quinto título da franquia, resgata essas características em uma aventura com um grande mundo interconectado para explorar, atmosfera alegre e ação acelerada. Mesmo com novidades, o título apresenta estrutura conservadora e linear, mas não deixa de ser divertido. Continue Lendo “Análise: Shantae and the Seven Sirens”

Análise: WHAT THE GOLF?

WHAT THE GOLF? parece um simples e inofensivo jogo de golfe, mas rapidamente a loucura e a zoeira entram em ação e tomam conta dos minigames. O conceito principal do esporte é explorado de maneiras absurdas, resultando em um título imprevisível, bem humorado e muito divertido, repleto de ideias e situações criativas. Já disponível anteriormente em outras plataformas, o jogo chega ao Switch com um modo multiplayer para dois jogadores. Continue Lendo “Análise: WHAT THE GOLF?”

Análise: Signs of the Sojourner

Conversar e se fazer entender nem sempre é uma tarefa fácil, afinal, há várias questões envolvidas, como valores pessoais e o estado emocional dos envolvidos. Signs of the Sojourner transforma essa atividade complicada em uma interpretação minimalista curiosa em que cartas e símbolos ditam o tom dos diálogos. O título combina aventura, construção de baralhos e narrativa em uma experiência repleta de metáforas sobre a vida em um mundo pitoresco. Mecânicas únicas, mas um pouco obtusas, o tornam ora deslumbrante, ora frustrante. Continue Lendo “Análise: Signs of the Sojourner”

Análise: Jet Lancer

Combates aéreos acelerados são o foco de Jet Lancer, shoot’em up indie produzido por dois desenvolvedores. No controle de um caça poderoso, o objetivo é destruir tudo em estágios repletos inimigos perigosos e projéteis. Agilidade, forte sensação de velocidade e manobras impressionantes são presenças constantes nas batalhas do jogo, que conta com dificuldade acentuada, mas ajustável. Mesmo com alguns problemas, é uma experiência divertida e enérgica. Continue Lendo “Análise: Jet Lancer”

Análise: Lonely Mountains: Downhill

Um ciclista explorando trilhas em montanhas é o foco de Lonely Mountains: Downhill, título indie de corrida com pegada arcade. Um visual minimalista e comandos simples sugerem partidas relaxantes, no entanto o jogo conta com ação veloz e alto desafio que exigem muita destreza. Muitas pistas repletas de rotas alternativas complicadas e grande quantidade de conteúdo tornam a experiência viciante e a diversão é justamente explorar as várias possibilidades. Continue Lendo “Análise: Lonely Mountains: Downhill”