Análise: Crawl (Multi)

Em uma primeira olhada, Crawl parece um dungeon crawler de ação qualquer. Contudo, uma característica faz esse jogo indie ser bem único: os monstros e armadilhas são controlados por outros jogadores. O resultado é uma experiência caótica e divertida, capaz de por amizades à prova. O título foi lançado para PC, PlayStation 4 e Xbox One, e é mais um daqueles jogos que contam somente com multiplayer local. Continue Lendo “Análise: Crawl (Multi)”

Análise: Graceful Explosion Machine (Multi)

 

Em Graceful Explosion Machine, controlamos uma nave equipada com quatro armamentos poderosos e temos que derrotar inúmeras ondas de inimigos. Esse shoot ‘em up de movimentação lateral se destaca com mecânicas simples que incentivam a construção de combos longos. Lançado para PC, PlayStation 4 e Nintendo Switch, esse título independente é uma experiência intensa e bem colorida.

Continue Lendo “Análise: Graceful Explosion Machine (Multi)”

Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)

Persona 4 Golden (PS Vita) é um dos meus RPGs favoritos de todos os tempos. Gostei demais de acompanhar Yu Narukami e seus amigos em uma aventura com ótima história, sistemas de jogo viciantes e personagens carismáticos. Também sou fã de jogos de ritmo, logo tratei de conferir Persona 4: Dancing All Night, o spin off musical de P4 para PS Vita. Gostei bastante do jogo, principalmente por conta da excelente trilha sonora e jogabilidade intensa. Continue Lendo “Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)”

Análise: Pyre (PS4/PC)

Pyre é o terceiro título da produtora independente Supergiant Games (de Bastion e Transistor) e é o seu projeto mais ambicioso e diferente, sem deixar de apresentar as características marcantes do estúdio. O jogo, que foi lançado para PlayStation 4 e PC, mistura visual novel, RPG e esporte, o que resulta em uma experiência distinta. Com ótima história, personagens cativantes e apresentação impecável, esse é facilmente um dos melhores trabalhos da desenvolvedora e um dos jogos mais únicos que tive a chance de jogar.

Continue Lendo “Análise: Pyre (PS4/PC)”

Análise: Pharaoh Rebirth+ (PC)

Em uma primeira olhada, Pharaoh Rebirth+ parece um jogo de SNES por conta de seus gráficos em pixel art e mecânicas de plataforma 2D. E, de fato, o título independente lançado para PC resgata características da era 16-bits, contando também com um pouquinho de metroidvania. O jogo cativa principalmente por meio da interpretação única das localidades do Egito, muito humor e estágios interessantes. Continue Lendo “Análise: Pharaoh Rebirth+ (PC)”

Análise: Darkest Dungeon: The Crimson Court (Multi)

Darkest Dungeon é um misto de RPG e dungeon crawler com grande foco na sanidade mental dos heróis: depois de verem tantos horrores, o estresse toma conta deles e tudo pode acontecer. O jogo é uma experiência tensa e bem única, e está disponível para PC, PlayStation 4 e PS Vita.

Agora, a desenvolvedora Red Hook lançou uma expansão para o título, de nome The Crimson Court. O foco do DLC é uma nova área repleta de criaturas loucas por sangue, em uma espécie de interpretação macabra de vampirismo. Além da inclusão de conteúdo inédito, a expansão introduz também mecânicas que alteram significativamente o jogo. O resultado é uma experiência diferenciada, sem deixar de lado a premissa original da tensão constante. Continue Lendo “Análise: Darkest Dungeon: The Crimson Court (Multi)”

Análise: Monolith (PC)

Monolith é um título independente para PC que combina inúmeros conceitos: ele é, ao mesmo tempo, um dungeon crawler, um shoot ‘em up com toques de bullet hell e também um rogue-lite. Pode até parecer que é impossível montar um jogo coerente com gêneros tão diferentes, porém o resultado é uma experiência agradável e viciante, repleta de momentos intensos. Continue Lendo “Análise: Monolith (PC)”

Análise: Old Man’s Journey (PC/Mobile)

Às vezes, não são necessárias palavras para contar uma história. Old Man’s Journey é um claro exemplo disso: toda a narrativa do jogo é mostrada por meio de imagens e situações, sem uma única linha de texto. O título independente lançado para PC, iOS e Android é uma mistura de puzzle e aventura, resultando em uma experiência que remete a um belo livro interativo.
Continue Lendo “Análise: Old Man’s Journey (PC/Mobile)”

Análise: Flinthook (Multi)

Flinthook, o novo título da produtora independente Tribute Games para PC, PlayStation 4 e Xbox One, em uma primeira olhada, pode se passar por um jogo da era 16 bits por conta do seu visual em pixel art e da sensação de aventura 2D arcade. Contudo, o título se destaca por conta de duas principais habilidades: o herói se movimenta pelos cenários com a ajuda de um gancho e consegue deixar a ação em câmera lenta. Isso, aliado a alta dificuldade e características do gênero roguelike, faz com que Flinthook seja uma experiência intensa e bem divertida.

Continue Lendo “Análise: Flinthook (Multi)”

Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)

Etrian Odyssey e Persona se encontram nesse ótimo crossover que é o único jogo da franquia para consoles Nintendo.

Mesmo com a crescente popularidade da série, Persona não aparecia em consoles da Nintendo. Provavelmente, a Atlus sempre pensou que o ideal seria continuar produzindo jogos para os sistemas da Sony, afinal o público cativo estava concentrado neles. Contudo, a desenvolvedora estava enganada: um Persona para 3DS era um dos maiores desejos dos fãs. Por conta disso e do sucesso de Persona 4 Arena (PS3/X360), foi lançado Persona Q: Shadow of the Labyrinth para 3DS, que é um misto de spin-off e crossover. O mais curioso é que o jogo combina conceitos de Persona e da série de dungeon crawler Etrian Odyssey — e a mistura deu muito certo. Continue Lendo “Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)”