Nos ouvidos #9: Hindi Zahra — The Moon (feat. House of Spirituals)

Hindi Zahra é uma das minhas cantoras favoritas por conta de sua bela voz e suas composições suaves que apresentam características do soul e do jazz. Em 2015, ela lançou seu segundo álbum, intitulado Homeland, que me conquistou com sua aura tranquila, misteriosa e cativante.

Continue Lendo “Nos ouvidos #9: Hindi Zahra — The Moon (feat. House of Spirituals)”

Anúncios

Nos ouvidos #5: Metric — Gold Guns Girls

Conheci Metric por acaso em algum site sobre música. Na época, a banda canadense estava lançando o álbum Fantasies, e vi o clipe de Gold Guns Girls, uma das faixas do disco. Depois de ouvir essa música, fui atrás de conferir mais composições deles. Continue Lendo “Nos ouvidos #5: Metric — Gold Guns Girls”

Análise: Exist Archive: The Other Side of the Sky (PS4/PS Vita)

O título combina vários conceitos e usa uma série clássica como inspiração para criar uma jornada curiosa e interessante.

Exist Archive: The Other Side of the Sky é um JRPG para PlayStation 4 e Vita que não nega as suas origens. O jogo, que é um esforço conjunto das produtoras tri-Ace e Spike Chunsoft, é claramente baseado na série Valkyrie Profile. Os conceitos básicos de exploração, combate e até mesmo alguns temas da trama de Exist Archive são bem parecidos com os apresentados nas aventuras das valquírias. Entretanto, o título tem várias características únicas que lhe confere identidade própria. O resultado é uma aventura divertida, mesmo que com alguns problemas. Continue Lendo “Análise: Exist Archive: The Other Side of the Sky (PS4/PS Vita)”

Análise: Psycho-Pass: Mandatory Happiness (PS4/PS Vita)

Esse visual novel traz trama e personagens inéditos e é perfeito para os fãs da série animada.

Psycho-Pass é um anime conhecido pela sua trama densa e cenas chocantes. Por conta disso, nada mais natural que um jogo baseado nele tenha como foco justamente a história. Psycho-Pass: Mandatory Happiness é um visual novel para PlayStation 4 e PS Vita (e futuramente PC) que coloca o jogador no centro de uma narrativa tensa e interessante. Continue Lendo “Análise: Psycho-Pass: Mandatory Happiness (PS4/PS Vita)”

Nos ouvidos #4: We Were Evergreen — Best Thing

We Were Evergreen é uma banda francesa de música alternativa, uma combinação de indie, eletrônico e pop. Conheci por um colega, que descreveu a música deles como “um som extremamente hipster” — concordo quase que completamente com ele. O que mais gosto em We Were Evergreen é a mistura de instrumentos bem inusitada e as melodias únicas, quase exóticas. Gosto, também, do cuidado deles ao produzir seus clipes. Até o momento o grupo lançou três EPs e um álbum chamado Towards. Continue Lendo “Nos ouvidos #4: We Were Evergreen — Best Thing”

Nos ouvidos #3: Kate Bush — How To Be Invisible

Kate Bush é uma cantora eclética: seus álbuns são difíceis de definir por conta da grande variedade de estilos presentes nas faixas. Gosto muito de sua voz, que ora é suave e misteriosa, ora é poderosa e aguda. Perdi as contas das vezes em que ouvi Hounds of Love, seu quinto álbum — acho ele incrível, principalmente as músicas Hounds of Love, Jig of Life e Cloudbusting.

Continue Lendo “Nos ouvidos #3: Kate Bush — How To Be Invisible”

Nos ouvidos #2: Fallulah — Bob Dylan

Gosto muito de Fallulah, uma cantora lá da Dinamarca. O som dela tem uma pegada meio indie e pop, repleto de melodias marcantes. O resultado são composições bem únicas que eu adoro. A garota, cujo nome real é Maria Apetri, já produziu três álbuns, sendo Perfect Tense o lançamento mais recente — e é dele que vem minha recomendação de hoje. Continue Lendo “Nos ouvidos #2: Fallulah — Bob Dylan”

Nos ouvidos #1: Ladyhawke — Let It Roll

Ladyhawke é uma das minhas cantoras favoritas de todos os tempos — perdi as contas do quanto ouvi seu primeiro álbum, sendo que Paris is Burning é uma das músicas que mais ouvi na vida, esse fato está lá registrado no Last.fm. Sempre gostei da pegada meio oitentista dela, uma mistura boa entre guitarras e sintetizadores, com melodias bem marcantes. Foi com muita surpresa que recebi o anúncio de que ela estava produzindo um terceiro álbum, intitulado Wild Things. Continue Lendo “Nos ouvidos #1: Ladyhawke — Let It Roll”

Crônica: The Legend of Zelda: Tri Force Heroes (3DS) e a diversão do multiplayer local

The Legend of Zelda: Four Swords é um dos meus jogos favoritos de GBA, lembro-me das várias tardes em que me diverti tentando derrotar Vaati na companhia de amigos. Muitos anos se passaram, o 3DS se tornou o portátil da vez, e sempre fiquei me perguntando quando a Nintendo lançaria um novo Zelda multiplayer —Four Swords Anniversary Edition era legal, mas não passava de um port melhorado. A resposta foi The Legend of Zelda: Tri Force Heroes e, em um primeiro momento, não foi muito bem o que eu esperava e não dei muita atenção. Recentemente, meses após o lançamento, dei uma nova chance ao título, o que me fez lembrar o quanto é divertido jogar localmente com amigos.
Continue Lendo “Crônica: The Legend of Zelda: Tri Force Heroes (3DS) e a diversão do multiplayer local”

Impressões: Video Games Live 2012 – Brasília

E depois de quatro anos o Video Games Live volta a acontecer em Brasília. Eu fui nas duas edições anteriores e foi com surpresa que recebi a notícia dessa nova apresentação na capital federal. Confesso que fiquei extremamente apreensivo com a possível seleção musical do concerto, entretanto fui surpreendido desta vez. Continue Lendo “Impressões: Video Games Live 2012 – Brasília”