Análise: Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge

Em Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge, as Tartarugas Ninja enfrentam novamente Destruidor e seus capangas em um beat ‘em up tradicional. O jogo resgata a ação descomplicada de clássicos dos personagens, como Turtles In Time, ao mesmo tempo que introduz algumas novidades. A ação ágil, o visual pixel art elaborado e o multiplayer para até seis participantes criam uma experiência arcade acessível e divertida. O título se inspira demais na nostalgia e ousa pouco, mas o resultado final é positivo. Continue Lendo “Análise: Teenage Mutant Ninja Turtles: Shredder’s Revenge”

Análise: Demon Slayer – Kimetsu no Yaiba – The Hinokami Chronicles

Como é de praxe, obras populares de diferentes mídias, em algum momento, acabam sendo adaptadas para jogos. Demon Slayer – Kimetsu no Yaiba – The Hinokami Chronicles transforma o universo de Koyoharu Gotouge em um título que traz a ação empolgante dos embates do anime. Além de visual excepcional, o jogo conta com um sistema de luta acessível e uma boa reprodução da trama. No entanto, a simplicidade das mecânicas e do conteúdo impedem que essa adaptação se destaque. Continue Lendo “Análise: Demon Slayer – Kimetsu no Yaiba – The Hinokami Chronicles”

Análise: OlliOlli World: VOID Raiders

OlliOlli World surpreendeu com sua boa mistura de skate e plataforma em uma sequência que tornou a série mais acessível sem deixar de lado o desafio característico. A aventura pela Radlândia agora continua em VOID Raiders, primeiro pacote de conteúdo por download. A expansão usa o espaço como tema e introduz mais situações surreais em estágios inéditos. O DLC tem conteúdo de qualidade, mas não conta com novidades notáveis em relação à campanha principal. Continue Lendo “Análise: OlliOlli World: VOID Raiders”

Análise: Hatsune Miku: Project DIVA Mega Mix+

Depois de passar pelos arcades e por inúmeros consoles, a vocaloid de cabelos verdes finalmente chega ao PC com Hatsune Miku: Project DIVA Mega Mix+. O maior destaque deste jogo de ritmo é a quantidade de conteúdo: o pacote básico conta com mais de 170 músicas e um DLC pago adiciona 70 faixas. Lançado anteriormente para o Switch, Mega Mix+ não tem grandes novidades ou mudanças, porém é um título sólido e competente. Continue Lendo “Análise: Hatsune Miku: Project DIVA Mega Mix+”

Análise: DRAINUS

Em DRAINUS, uma única nave enfrenta um império intergalático em uma jornada complicada. Este shoot ‘em up lateral se inspira nos clássicos do gênero ao mesmo tempo que introduz uma interessante mecânica: a nave é capaz de absorver tiros e lançá-los de volta nos inimigos. Produzido pelo Team Ladybug (de Touhou Luna Nights e Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth), o jogo se destaca com seu visual estiloso e com a sua impecável interpretação de conceitos de títulos similares. Continue Lendo “Análise: DRAINUS”

Análise: Souldiers

Souldiers faz uma ode às aventuras da era 16-bits ao mesmo tempo em que explora conceitos modernos. Produzido pelo estúdio espanhol Retro Forge, o jogo mescla plataforma 2D, combate brutal inspirado em soulslikes, pitadas de metroidvania e belo visual em pixel art para criar uma jornada elaborada. A ideia principal funciona, mesmo não sendo muito original, e as mecânicas principais são competentes, no entanto problemas notáveis de ritmo e um nível de desafio bastante irregular diminuem o brilho deste título indie. Continue Lendo “Análise: Souldiers”

Análise: Gibbon: Beyond the Trees

Gibbon: Beyond the Trees encanta com sua beleza e suavidade. No jogo, acompanhamos uma família de gibões que balançam pelas árvores em uma jornada incerta. A atmosfera e as mecânicas são relaxantes, mas, por trás deste belo mundo, há também uma mensagem importante. O foco claramente está na ambientação e na sensação de fluidez, no entanto a simplicidade geral da aventura torna a experiência bastante efêmera. Continue Lendo “Análise: Gibbon: Beyond the Trees”

Impressões: Songs of Conquest

Songs of Conquest resgata conceitos clássicos de estratégia por turnos e os combina com gerenciamento e expansão de reino em uma experiência RPG singular. Além de inúmeras mecânicas elaboradas que remetem a outros exemplares do gênero, como Heroes of Might and Magic III, o título indie envolve com ótima parte técnica e ambientação construída com esmero. Lançado em Acesso Antecipado, o jogo impressiona com seu alto grau de polimento. Continue Lendo “Impressões: Songs of Conquest”

Análise: The Gunk

Um planeta tomado por uma estranha gosma é o cenário de The Gunk. No controle de uma garota equipada com uma manopla mecânica, exploramos localidades deslumbrantes em uma aventura de ação e plataforma bem tradicional. O primeiro trabalho 3D do estúdio sueco Image & Form, que é conhecido pela série SteamWorld, tem ambientação e visuais notáveis, mas decepciona pela sua interpretação rasa de conceitos consagrados. Continue Lendo “Análise: The Gunk”

Análise: Eiyuden Chronicle: Rising

Exploradores de todo canto desbravam ruínas em Eiyuden Chronicle: Rising. O RPG de ação envolve com seu belo visual que mistura cenários 3D e personagens 2D e algumas ideias notáveis. Além disso, há foco na velocidade em combates ágeis em que é possível alternar entre os heróis com o toque de um botão. Contudo, mesmo com tantas qualidades, a execução simplificada e subdesenvolvida de várias mecânicas atrapalha a experiência. Continue Lendo “Análise: Eiyuden Chronicle: Rising”