Resenha: O homem que buscava sua sombra (Millennium 5), de David Lagercrantz

“Não mesmo! Você…” Alvar tomou fôlego. “Você me agrediu. A situação não está nada boa para o seu lado.”
“A situação não está nada boa é para você”, disse Salander. “As pessoas são oprimidas e agredidas aqui dentro e você não levanta um dedo para acabar com isso. Tem noção do escândalo que seria se as pessoas soubessem disso lá fora? O garoto-propaganda do serviço penitenciário manipulado por uma pequena Mussolini!”
“Mas…”, Alvar tentou interrompê-la.
“Nada de ‘mas’. Vou ajudar você a dar um jeito nisso, com a condição de que você me dê acesso a um computador ligado à internet.”
“Impossível”, retrucou Alvar, tentando parecer durão. “Existem câmeras em todos os corredores. Você se deu mal.”
“No caso, nós dois nos demos mal, e por mim tudo bem”, ela disse.

Eu fiquei muito surpreso (e apreensivo) quando foi anunciado que o escritor sueco David Lagercrantz iria continuar Millennium, a série de livros criada por Stieg Larsson. Eu gostei de Millennium 4: A Garota na Teia de Aranha, levando em consideração que é uma sequência escrita por outro autor — a trama é interessante e me cativou bastante. O homem que buscava sua sombra é o novo volume da série e eu até gostei do livro, mesmo sendo facilmente o pior episódio até o momento. Continue Lendo “Resenha: O homem que buscava sua sombra (Millennium 5), de David Lagercrantz”

Anúncios

Análise: Mystik Belle (Multi)

Quando o preparo de uma poção mágica a ser utilizada em um ritual especial é sabotado, sobra para uma aprendiz de feiticeira a tarefa de coletar novos ingredientes. É assim que começa Mystik Belle, um carismático título indie para PlayStation 4, Xbox One e PC. A aventura da bruxinha mescla plataforma e resolução de enigmas, resultando em uma experiência agradável. Continue Lendo “Análise: Mystik Belle (Multi)”

Nos ouvidos #8: Shoji Meguro — Rivers in the Desert (Persona 5)

Não é novidade o fato de eu gostar de trilhas sonoras de videogames, afinal jogo bastante — curto tanto que costumo ir atrás de músicas de títulos que não joguei só por conta do compositor. Shoji Meguro (目黒将司) é o compositor da Atlus responsável pela série Persona, sendo seu último trabalho a música de Persona 5 (PS3/PS4).

Continue Lendo “Nos ouvidos #8: Shoji Meguro — Rivers in the Desert (Persona 5)”

Resenha: Relatos de um gato viajante, de Hiro Arikawa

“Se a gente não tivesse saído para esta viagem, eu teria passado o resto da vida sem nunca ver o mar de perto. Meu mundo se limitava a uma pequena área ao redor do apartamento de Satoru. Como território de um gato, até que não era ruim, mas, comparado com a grandeza deste mundo, agora vejo que era pequeno demais. Neste mundo, as paisagens que um gato jamais verá são muito maiores do que tudo o que ele chega a conhecer. “

Muitas coisas me chamaram a atenção em Relatos de um gato viajante, principalmente a capa bonita e a premissa interessante: um dos protagonistas é um gato que está viajando pelo Japão com seu dono. Eu esperava algo simples (misturado com um pouco de fofura), porém o livro me cativou e surpreendeu bastante com os temas abordados e a ótima narrativa. Continue Lendo “Resenha: Relatos de um gato viajante, de Hiro Arikawa”

Resenha: Messias de Duna, de Frank Herbert

“— Prefiro o ponto de vista dos céticos — ensaiou Paul. — Você obviamente foi treinado para usar todos os truques mentirosos da arte de governar, os duplos sentidos e as palavras de poder. Para você, a linguagem não passa de uma arma, e assim você põe minha armadura à prova.
— O ponto de vista dos céticos — disse Edric, e um sorriso espichou-lhe a boca. — E os soberanos são sabidamente céticos no que toca à religião. A religião também é uma arma. E que tipo de arma seria a religião quando ela se torna o governo?” (Pág. 106)

Duna, de Frank Herbert, me conquistou com seu universo rico, personagens complexos e trama que mistura bem vários aspectos distintos. A sequência, Messias de Duna, é uma obra bem diferente por conta do ritmo mais lento e narrativa com outro foco. A trama repleta de intriga, misticismo e política me cativou mais uma vez. Continue Lendo “Resenha: Messias de Duna, de Frank Herbert”

Análise: SteamWorld Dig 2 (Multi)

 

SteamWorld Dig apareceu sem nenhum aviso e foi um grande sucesso: o título de mineração e plataforma cativou jogadores e foi lançado para vários consoles. Depois de um ótimo spinoff de estratégia, a desenvolvedora Image & Form resolveu investir em uma continuação direta. SteamWorld Dig 2, lançado para PC, PlayStation 4, PS Vita e Nintendo Switch, mantém a forma básica ao mesmo tempo em que adiciona novidades e ameniza vários dos problemas do original. O resultado é uma experiência familiar, viciante e variada. Continue Lendo “Análise: SteamWorld Dig 2 (Multi)”

Análise: Metroid: Samus Returns (3DS)

Metroid II: Return of Samus (GB) é um dos jogos mais injustiçados da série da caçadora de recompensas, sendo considerado por alguns até mesmo como o pior jogo da franquia. Mesmo com as limitações do console, ele trouxe várias novidades: progressão distinta, um mapa mais complexo e habilidades inéditas para Samus. Para os padrões de hoje, é uma aventura truncada e estranha, mesmo com suas qualidades. Sendo assim, foi com surpresa (e alegria) que eu recebi a notícia de Metroid: Samus Returns, reimaginação do segundo título da franquia para 3DS. Continue Lendo “Análise: Metroid: Samus Returns (3DS)”

Análise: Tooth and Tail (PC/PS4)

O gênero estratégia em tempo real (ou RTS, real time strategy) afasta muitos jogadores por conta de sua complexidade e curva de aprendizado. Tooth and Tail, título independente lançado para PlayStation 4 e PC, pega os conceitos básicos de RTS e os destila em uma experiência compacta. Comandos simples e poucas características para administrar fazem com que o jogo tenha partidas ágeis, sem deixar de ser também complexo e interessante. Continue Lendo “Análise: Tooth and Tail (PC/PS4)”

Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)

Ys é uma franquia de RPG criada pela Nihon Falcom em 1987, com inúmeros jogos lançados até hoje. Ys VIII: Lacrimosa of Dana, lançado para PlayStation 4, PS Vita e PC, é o oitavo título da série principal e apresenta todos os conceitos básicos e familiares da franquia ao mesmo tempo em que introduz algumas novidades. Com personagens cativantes, história interessante e excelentes sistemas de jogo, Lacrimosa of Dana é uma experiência viciante. Continue Lendo “Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)”

Galeria de fotos: Chrono Trigger Formation Arts

Chrono Trigger é considerado um dos melhores JRPGs de todos os tempos. Na minha concepção, ele não é perfeito, porém, de fato, é um excelente jogo. Em 2010, a Square Enix lançou uma coleção de miniaturas chamada Chrono Trigger Formation Arts e por sorte eu tive a oportunidade de adquirir. São quatro miniaturas repletas de detalhes de todos os ângulos que retratam os heróis em diversas cenas baseadas em artes oficiais.

Continue Lendo “Galeria de fotos: Chrono Trigger Formation Arts”