Do Japão: Tales of Phantasia (Multi)

Uma das características mais marcantes dos RPGs japoneses nas eras 8-bit e 16-bit era o combate por turnos. Títulos como Dragon Quest, Final Fantasy e Breath of Fire apresentavam batalhas estáticas nas quais inimigos e aliados executavam ações individualmente e de maneira assíncrona. Alguns jogos experimentaram sistemas de combate diferenciados, focados na ação, mas poucos conseguiram se destacar. Mas isso mudou com o lançamento de Tales of Phantasia: o RPG, lançado no fim da vida do SNES, apresentou um dinâmico sistema de batalha em tempo real, e foi o ponto de partida para a popular série “Tales of”. Continue Lendo “Do Japão: Tales of Phantasia (Multi)”

Anúncios

Análise: Ni no Kuni II: Revenant Kingdom (PS4/PC)

Ni no Kuni II: Revenant Kingdom, o novo JRPG da série da Level-5, te convida a montar um reino e unificar as nações do mundo. O título mistura características tradicionais do gênero com algumas novidades muito bem inseridas em um universo convidativo repleto de conteúdo e possibilidades. Esses detalhes, aliados a uma ambientação excepcional e a vários sistemas divertidos, me conquistaram com uma experiência imersiva. É uma continuação que carrega o legado da franquia, mas se difere bastante do título anterior. Continue Lendo “Análise: Ni no Kuni II: Revenant Kingdom (PS4/PC)”

Do Japão: Rudra no Hihou (SNES)

Diz o ditado: “As palavras têm poder”. É justamente nessa premissa que é construído todo o sistema de jogo de Rudra no Hihou (ルドラの秘宝, literalmente “O Tesouro dos Rudras”). Neste curioso RPG de SNES, a magia é invocada por meio de mantras, palavras que evocam poderes místicos, sendo possível desferir feitiços com qualquer combinação de letras criada pelo jogador. Lançado em 1996 pela Squaresoft, Rudra é mais um caso de RPG que não saiu do Japão e que faz os jogadores lamentarem o fato da língua daquele país ser tão complicada. Por sorte, depois de muito trabalho, um grupo de fãs traduziu o jogo para o inglês. Continue Lendo “Do Japão: Rudra no Hihou (SNES)”

Análise: The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel II (PC)

The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel II, na teoria, é uma sequência. Porém, na prática, a continuação está mais para uma “parte dois”. O título altera poucas características das mecânicas do anterior, contudo traz uma trama mais interessante e algumas pequenas mudanças estruturais. É um JRPG vasto e interessante, que não deixa de compartilhar muitas das qualidades (e defeitos) de seu antecessor. Lançado originalmente para PlayStation 3 e PS Vita, o jogo chega ao PC com várias melhorias técnicas. Continue Lendo “Análise: The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel II (PC)”

Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)

Ys é uma franquia de RPG criada pela Nihon Falcom em 1987, com inúmeros jogos lançados até hoje. Ys VIII: Lacrimosa of Dana, lançado para PlayStation 4, PS Vita e PC, é o oitavo título da série principal e apresenta todos os conceitos básicos e familiares da franquia ao mesmo tempo em que introduz algumas novidades. Com personagens cativantes, história interessante e excelentes sistemas de jogo, Lacrimosa of Dana é uma experiência viciante. Continue Lendo “Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)”

Galeria de fotos: Chrono Trigger Formation Arts

Chrono Trigger é considerado um dos melhores JRPGs de todos os tempos. Na minha concepção, ele não é perfeito, porém, de fato, é um excelente jogo. Em 2010, a Square Enix lançou uma coleção de miniaturas chamada Chrono Trigger Formation Arts e por sorte eu tive a oportunidade de adquirir. São quatro miniaturas repletas de detalhes de todos os ângulos que retratam os heróis em diversas cenas baseadas em artes oficiais.

Continue Lendo “Galeria de fotos: Chrono Trigger Formation Arts”

Análise: The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel (PC)

Nos últimos anos, vários RPGs japoneses finalmente foram lançados para PC, que era uma plataforma conhecida por nunca receber esses títulos. A desenvolvedora nipônica Nihon Falcom, conhecida principalmente pela série Ys, tem portado seus jogos para computadores e a recepção tem sido boa. The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel é a adaptação mais recente da companhia a chegar ao PC. O RPG tinha sido lançado anteriormente para PlayStation 3 e PS Vita e tem como novidades melhorias gráficas, mais diálogos dublados e um recurso que permite acelerar a ação. Continue Lendo “Análise: The Legend of Heroes: Trails of Cold Steel (PC)”

Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)

Etrian Odyssey e Persona se encontram nesse ótimo crossover que é o único jogo da franquia para consoles Nintendo.

Mesmo com a crescente popularidade da série, Persona não aparecia em consoles da Nintendo. Provavelmente, a Atlus sempre pensou que o ideal seria continuar produzindo jogos para os sistemas da Sony, afinal o público cativo estava concentrado neles. Contudo, a desenvolvedora estava enganada: um Persona para 3DS era um dos maiores desejos dos fãs. Por conta disso e do sucesso de Persona 4 Arena (PS3/X360), foi lançado Persona Q: Shadow of the Labyrinth para 3DS, que é um misto de spin-off e crossover. O mais curioso é que o jogo combina conceitos de Persona e da série de dungeon crawler Etrian Odyssey — e a mistura deu muito certo. Continue Lendo “Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)”

Análise: Tales of Berseria (PS4/PC)

Controle um grupo de anti-heróis em uma aventura repleta de ótimos sistemas e situações.

Tales of Berseria, o mais recente título da franquia de JRPGs para PS4 e PCs, quebra vários paradigmas da série. Em vez da tradicional jornada para salvar o mundo, o foco é uma trama de vingança repleta de personagens com motivações nada heroicas. Isso, em conjunto com um ótimo combate e muitos outros sistemas, resulta em uma aventura divertida e interessante. Continue Lendo “Análise: Tales of Berseria (PS4/PC)”

Análise: I am Setsuna (PS4/PC)

O título da Tokyo RPG Factory retoma características clássicas e traz uma aventura simples, porém divertida.

Os RPGs japoneses têm tentado se reinventar nos últimos anos com a presença de narrativas complexas, sistemas focados na ação e muita grandiosidade. Contudo, ainda há quem prefira uma aventura mais clássica, que remeta aos títulos das eras 16 e 32 bits. I am Setsuna, primeiro trabalho do estúdio Tokyo RPG Factory, retoma características de RPGs do passado, principalmente com a presença de batalhas por turnos e uma jornada para salvar o mundo. Com forte apelo à nostalgia e alguns sistemas modernos, o jogo lançado para PlayStation 4 e PC tem tudo para agradar veteranos e novatos. Continue Lendo “Análise: I am Setsuna (PS4/PC)”