Análise: Fidel Dungeon Rescue (PC)

Uma aranha aparece de um alçapão e rapta uma gentil senhora, e seu simpático cãozinho é o único capaz de salvá-la. Essa é a premissa de Fidel Dungeon Rescue, um inusitado puzzle para PC. O visual cartunesco pode indicar uma aventura relaxante, mas a verdade é outra: este jogo, que tem também características de roguelike e RPG, é bem difícil e exige muita atenção. Com partidas rápidas e mecânicas-base simples, é uma experiência divertida e frustrante ao mesmo tempo. Continue Lendo “Análise: Fidel Dungeon Rescue (PC)”

Análise: Crawl (Multi)

Em uma primeira olhada, Crawl parece um dungeon crawler de ação qualquer. Contudo, uma característica faz esse jogo indie ser bem único: os monstros e armadilhas são controlados por outros jogadores. O resultado é uma experiência caótica e divertida, capaz de por amizades à prova. O título foi lançado para PC, PlayStation 4 e Xbox One, e é mais um daqueles jogos que contam somente com multiplayer local. Continue Lendo “Análise: Crawl (Multi)”

Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)

Persona 4 Golden (PS Vita) é um dos meus RPGs favoritos de todos os tempos. Gostei demais de acompanhar Yu Narukami e seus amigos em uma aventura com ótima história, sistemas de jogo viciantes e personagens carismáticos. Também sou fã de jogos de ritmo, logo tratei de conferir Persona 4: Dancing All Night, o spin off musical de P4 para PS Vita. Gostei bastante do jogo, principalmente por conta da excelente trilha sonora e jogabilidade intensa. Continue Lendo “Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)”

Análise: Pyre (PS4/PC)

Pyre é o terceiro título da produtora independente Supergiant Games (de Bastion e Transistor) e é o seu projeto mais ambicioso e diferente, sem deixar de apresentar as características marcantes do estúdio. O jogo, que foi lançado para PlayStation 4 e PC, mistura visual novel, RPG e esporte, o que resulta em uma experiência distinta. Com ótima história, personagens cativantes e apresentação impecável, esse é facilmente um dos melhores trabalhos da desenvolvedora e um dos jogos mais únicos que tive a chance de jogar.

Continue Lendo “Análise: Pyre (PS4/PC)”

Análise: Old Man’s Journey (PC/Mobile)

Às vezes, não são necessárias palavras para contar uma história. Old Man’s Journey é um claro exemplo disso: toda a narrativa do jogo é mostrada por meio de imagens e situações, sem uma única linha de texto. O título independente lançado para PC, iOS e Android é uma mistura de puzzle e aventura, resultando em uma experiência que remete a um belo livro interativo.
Continue Lendo “Análise: Old Man’s Journey (PC/Mobile)”

Análise: TumbleSeed (Multi)

O conceito principal de TumbleSeed, título indie para PC, PlayStation 4 e Nintendo Switch, é bem inusitado. O objetivo é levar sementes para o topo de uma montanha, desviando de inúmeros obstáculos que aparecem pelo caminho. O diferencial é o sistema de controle que exige o uso das duas alavancas analógicas para equilibrar a semente. Não se deixe enganar pelos gráficos coloridos: o jogo é bem difícil e exige dedicação. Continue Lendo “Análise: TumbleSeed (Multi)”

Persona 5 (PS3/PS4): primeiras impressões

Depois de muita espera e adiamentos, Persona 5 finalmente chegará ao PlayStation 3 e PlayStation 4. O quinto título da franquia da Atlus vem com a promessa de trazer uma trama profunda, personagens carismáticos, refinamentos nos sistemas e ótimas mecânicas. Joguei por volta de 18 horas da nova aventura no PS4 e gostei muito do que vi, confira o que me chamou a atenção nesse início.

Continue Lendo “Persona 5 (PS3/PS4): primeiras impressões”

Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)

Etrian Odyssey e Persona se encontram nesse ótimo crossover que é o único jogo da franquia para consoles Nintendo.

Mesmo com a crescente popularidade da série, Persona não aparecia em consoles da Nintendo. Provavelmente, a Atlus sempre pensou que o ideal seria continuar produzindo jogos para os sistemas da Sony, afinal o público cativo estava concentrado neles. Contudo, a desenvolvedora estava enganada: um Persona para 3DS era um dos maiores desejos dos fãs. Por conta disso e do sucesso de Persona 4 Arena (PS3/X360), foi lançado Persona Q: Shadow of the Labyrinth para 3DS, que é um misto de spin-off e crossover. O mais curioso é que o jogo combina conceitos de Persona e da série de dungeon crawler Etrian Odyssey — e a mistura deu muito certo. Continue Lendo “Análise: Persona Q: Shadow of the Labyrinth (3DS)”

Análise: Shantae: Half-Genie Hero (Multi)

O novo jogo da garota meio-gênio é bem bonito, porém vários problemas fazem com que a aventura não seja tão prazerosa.

A meio-gênio Shantae surgiu lá no Game Boy Color em um jogo simpático e excepcional para os padrões do portátil, mas como saiu no fim da vida do console poucos jogadores tiveram a chance de experimentá-lo. A desenvolvedora WayForward continuou produzindo títulos da franquia, todos eles para portáteis Nintendo (mesmo que os últimos tenham sido portados para outros sistemas), e a popularidade foi aumentando. Shantae: Half-Genie Hero é o primeiro jogo da garota completamente pensado para consoles de mesa e tem como maior destaque o visual elaborado. O novo título funciona como uma espécie de reinício da série e resgata alguns conceitos clássicos, ao mesmo tempo em que experimenta novas características. Continue Lendo “Análise: Shantae: Half-Genie Hero (Multi)”

Análise: Owlboy (PC)

Em uma primeira olhada, Owlboy parece um jogo vindo direto da década de 90 por conta de seu visual pixel art que remete aos grandes clássicos de SNES. Contudo, bastam alguns minutos para perceber que há muito mais do que nostalgia nesse título, principalmente no que diz respeito a suas mecânicas. O jogo chega ao PC após passar nove anos em desenvolvimento e oferece uma aventura cativante e divertida. Continue Lendo “Análise: Owlboy (PC)”