Do Japão: Tales of Phantasia (Multi)

Uma das características mais marcantes dos RPGs japoneses nas eras 8-bit e 16-bit era o combate por turnos. Títulos como Dragon Quest, Final Fantasy e Breath of Fire apresentavam batalhas estáticas nas quais inimigos e aliados executavam ações individualmente e de maneira assíncrona. Alguns jogos experimentaram sistemas de combate diferenciados, focados na ação, mas poucos conseguiram se destacar. Mas isso mudou com o lançamento de Tales of Phantasia: o RPG, lançado no fim da vida do SNES, apresentou um dinâmico sistema de batalha em tempo real, e foi o ponto de partida para a popular série “Tales of”. Continue Lendo “Do Japão: Tales of Phantasia (Multi)”

Anúncios

Análise: Hollow Knight (PC/Switch)

Um mundo sombrio e repleto de insetos bizarros é o cenário de Hollow Knight, metroidvania lançado PC Nintendo Switch. A ambientação que lembra um desenho animado macabro chama a atenção, mas esse é um dos poucos destaques do jogo. A fórmula básica do gênero está ali, no entanto bastam alguns minutos para perceber que o jogo traz conceitos interessantes e não muito explorados no estilo, como grande liberdade de exploração e combate intenso. A combinação das características resulta em uma aventura imersiva e e também tensa, o que fez com que Hollow Knight entrasse para a minha lista de jogos favoritos de todos os tempos. Continue Lendo “Análise: Hollow Knight (PC/Switch)”

Análise: Lumines Remastered (Multi)

Criada por Tetsuya Mizuguchi, produtor da franquia de ritmo Space Channel 5, a série Lumines é conhecida por combinar puzzles de juntar blocos com música. Depois de versões para inúmeros consoles, a franquia retorna com Lumines Remastered. O nome infere que esta é uma remasterização do primeiro título de PSP, mas na verdade não é bem isso: o jogo oferece uma experiência nova, com conteúdo dos dois primeiros títulos e algumas novidades. Continue Lendo “Análise: Lumines Remastered (Multi)”

Análise: Darkest Dungeon: The Color of Madness (PC)

Estresse e tensão são palavras que descrevem a experiência de Darkest Dungeon, RPG e dungeon crawler que apresenta mecânicas focadas no estado mental dos heróis. O jogo é bem difícil, com várias situações complicadas capazes de tirar a paciência e a calma de alguns jogadores — e é justamente isso o que o torna tão divertido. The Color of Madness, a segunda expansão do título, oferece uma experiência diferenciada por se concentrar nos combates por turnos. A alteração na dinâmica traz possibilidades interessantes, sem deixar de lado os conceitos principais de Darkest Dungeon. Continue Lendo “Análise: Darkest Dungeon: The Color of Madness (PC)”

Do Japão: Ni no Kuni: Shikkoku no Madoshi (DS)

Em 2008, a produtora nipônica Level-5 estava comemorando seu aniversário de dez anos e decidiu criar um novo projeto para a ocasião. Para isso, a empresa convidou o aclamado Studio Ghibli, conhecido principalmente por longas de animação, para contribuir na produção desse novo jogo. Dessa colaboração nasceu a série Ni no Kuni, que combina o expertise de RPGs da Level-5 e o visual detalhado das animações do Studio Ghibli. Ni no Kuni: Shikkoku no Madoshi (二ノ国 漆黒の魔導士, que pode ser traduzido como “Segundo País: O Mago Negro”), RPG lançado para Nintendo DS em 2010, foi o primeiro jogo da franquia. Infelizmente, o jogo nunca saiu do Japão.
Continue Lendo “Do Japão: Ni no Kuni: Shikkoku no Madoshi (DS)”

Análise: Just Shapes & Beats (PC/Switch)

Just Shapes & Beats chama a atenção com seu visual vibrante e estiloso. Tendo como inspiração música eletrônica, o jogo transforma a trilha sonora em em uma experiência que mistura elementos de bullet hell e ritmo. O resultado é um título de conceito simples, mas de alta dificuldade. Com opções de multiplayer e muitas composições, o Just Shapes & Beats é uma ótima pedida para um encontro entre amigos. Continue Lendo “Análise: Just Shapes & Beats (PC/Switch)”

Análise: Dillon’s Dead-Heat Breakers (3DS)

A série de jogos do tatu durão Dillon oferece um misto de ação e tower defense, sendo a dificuldade intensa uma das características marcantes. Dillon’s Dead-Heat Breakers, terceira aventura do personagem para o 3DS, traz mais polimento e uma mudança significativa na temática — um mundo pós-apocalíptico no lugar do Velho Oeste americano. Várias novidades resultam em uma experiência mais acessível, variada e divertida. Continue Lendo “Análise: Dillon’s Dead-Heat Breakers (3DS)”

Análise: Moonlighter (Multi)

Como será a jornada de alguém que é proprietário de uma loja e ainda precisa ele próprio procurar por mercadorias em calabouços? A resposta está em Moonlighter, título indie de ação e aventura. Nele, controlamos um jovem chamado Will, que tem como desafio balancear o trabalho em sua loja e a exploração de ruínas misteriosas. Com toques de administração e roguelike, o jogo conquista com uma aventura charmosa e viciante. Continue Lendo “Análise: Moonlighter (Multi)”

Análise: Battle Chasers: Nightwar (Multi)

Battle Chasers: Nightwar mostra suas intenções logo nas primeiras horas: resgatar as principais características de RPGs japoneses. O jogo não só faz isso, como também explora várias outras possibilidades, atualizando vários conceitos clássicos. Isso, combinado com uma ótima direção de arte, bom uso de mecânicas consagradas e um combate estratégico, resulta em uma experiência imersiva.  Continue Lendo “Análise: Battle Chasers: Nightwar (Multi)”

Análise: Wizard of Legend (Multi)

Para ser reconhecido como um mago lendário, um feiticeiro precisa vencer uma intensa competição. Essa é a premissa de Wizard of Legend, título independente de ação e dungeon crawling lançado para PCs e consoles. O foco das mecânicas é a velocidade: o herói é veloz e tem à disposição magias que podem ser utilizadas em sequências poderosas. O resultado é uma aventura frenética, variada e muito divertida.
Continue Lendo “Análise: Wizard of Legend (Multi)”