Análise: Hand of Fate 2

 

Jogar Hand of Fate 2 me trouxe a sensação de estar participando de uma sessão de RPG de mesa: um mestre de jogo guia uma aventura repleta de escolhas baseadas em cartas. Combinando vários gêneros, como montagem de baralhos, ação e roguelike, a continuação do título de 2015 melhora boa parte dos aspectos do original, trazendo uma experiência mais variada e cativante. Continue Lendo “Análise: Hand of Fate 2”

Análise: SUPERBEAT: XONiC (Switch)

Basta ver alguma imagem ou vídeo de SUPERBEAT: XONiC para perceber que este jogo de ritmo é bem frenético: o visual é marcante com cores neon e as sequências de notas são bem complexas. Dos mesmos criadores da série DJ MAX, o título traz uma experiência bem intensa e ao mesmo tempo acessível. Lançado anteriormente para PS Vita, PlayStation 4 e Xbox One, SUPERBEAT: XONiC chega agora ao Nintendo Switch e é facilmente um dos melhores jogos do gênero já lançados para o console.

Continue Lendo “Análise: SUPERBEAT: XONiC (Switch)”

Análise: The Mummy Demastered (Multi)

Jogos baseados em grandes blockbusters do cinema costumam não chamar a atenção por conta da qualidade duvidosa de muitos. The Mummy Demastered é um título que quebra essa regra. Lançado para PC, PlayStation 4, Xbox One e Nintendo Switch, o jogo utiliza o material de origem somente como inspiração, resultando em uma aventura competente e divertida. Continue Lendo “Análise: The Mummy Demastered (Multi)”

Super Mario Odyssey (Switch): meu diário fotográfico da aventura

Depois de muita espera, Super Mario Odyssey finalmente chegou ao Switch. Ele foi um dos motivos de eu ter adquirido o console e gostei bastante do que já vi, principalmente a variedade de coisas para fazer em cada mundo. Um recurso bem legal no jogo é um modo de fotografia no qual a ação é pausada completamente e é possível compor cenas, com direito a filtros e tudo mais. Pensei que não usaria muito essa opção, porém, quando percebi, já estava fotografando loucamente a todo momento — os cenários criativos e as roupas legais que podemos comprar para Mario foram grandes incentivos. Sendo assim, compilei aqui algumas fotos que tirei no jogo.

Continue Lendo “Super Mario Odyssey (Switch): meu diário fotográfico da aventura”

Análise: Graceful Explosion Machine

 

Em Graceful Explosion Machine, controlamos uma nave equipada com quatro armamentos poderosos e temos que derrotar inúmeras ondas de inimigos. Esse shoot ‘em up de movimentação lateral se destaca com mecânicas simples que incentivam a construção de combos longos. Lançado para PC, PlayStation 4 e Nintendo Switch, esse título independente é uma experiência intensa e bem colorida.

Continue Lendo “Análise: Graceful Explosion Machine”

Análise: Old Man’s Journey (Multi)

Às vezes, não são necessárias palavras para contar uma história. Old Man’s Journey é um claro exemplo disso: toda a narrativa do jogo é mostrada por meio de imagens e situações, sem uma única linha de texto. O título independente lançado para PC, iOS, Android e Switch é uma mistura de puzzle e aventura, resultando em uma experiência que remete a um belo livro interativo.
Continue Lendo “Análise: Old Man’s Journey (Multi)”

Análise: TumbleSeed (Multi)

O conceito principal de TumbleSeed, título indie para PC, PlayStation 4 e Nintendo Switch, é bem inusitado. O objetivo é levar sementes para o topo de uma montanha, desviando de inúmeros obstáculos que aparecem pelo caminho. O diferencial é o sistema de controle que exige o uso das duas alavancas analógicas para equilibrar a semente. Não se deixe enganar pelos gráficos coloridos: o jogo é bem difícil e exige dedicação. Continue Lendo “Análise: TumbleSeed (Multi)”

Análise: Owlboy

Em uma primeira olhada, Owlboy parece um jogo vindo direto da década de 90 por conta de seu visual pixel art que remete aos grandes clássicos de SNES. Contudo, bastam alguns minutos para perceber que há muito mais do que nostalgia nesse título, principalmente no que diz respeito a suas mecânicas. O jogo foi lançado após nove anos de desenvolvimento e oferece uma aventura cativante e divertida. Continue Lendo “Análise: Owlboy”

Análise: Enter the Gungeon

Esse indie mistura muito bem diferentes gêneros e traz uma aventura divertida e repleta de conteúdo.

Uma lenda diz que existe uma arma capaz de “matar” o passado. Em Enter the Gungeon, título indie para PC e PS4, pessoas de todo o universo exploram um curioso labirinto em busca desse artefato numa aventura que mistura tiro, roguelikee dungeon crawling. O jogo combina mecânicas simples, ação frenética e uma boa dose de maluquice, tendo como resultado uma experiência viciante. Continue Lendo “Análise: Enter the Gungeon”

Análise: Momodora: Reverie Under the Moonlight

Um dos gêneros recorrentes no mundo dos jogos independentes é o metroidvania. Com tantos títulos com conceitos parecidos, é meio complicado se destacar.Momodora: Reverie Under the Moonlight é um representante desse gênero e consegue ser único ao focar em algumas poucas características. O resultado é um jogo que faz muito bem o que propõe e sem exageros, o que torna ótima a experiência. Continue Lendo “Análise: Momodora: Reverie Under the Moonlight”