Meus jogos favoritos de 2018

Meu 2018 foi frenético: conferi mais de 40 títulos nesse último ano. A maioria deles foram jogos indies e conheci muita coisa interessante, como a inusitada aventura minimalista Minit, a mistura de corrida e beat’em up Speed Brawl e a vida dupla de explorador e mercador em Moonlighter. Infelizmente acabei não experimentando jogos grandes que eu tinha interesse, como God of War e Octopath Traveler, no entanto consegui jogar algumas poucas coisas pendentes de 2017, como o excelente NieR:Automata. Continue Lendo “Meus jogos favoritos de 2018”

Anúncios

Análise: MUSYNX (Multi)

MUSYNX é um título de ritmo que fez sucesso em outras plataformas, principalmente nos dispositivos móveis. Com jogabilidade simples, seus grandes destaques são a grande variedade de músicas disponíveis para jogar e o visual belo. O jogo chega agora ao PC em uma adaptação competente, tornando-se um dos melhores títulos rítmicos tradicionais da plataforma. Continue Lendo “Análise: MUSYNX (Multi)”

Análise: Persona 3: Dancing in Moonlight & Persona 5: Dancing in Starlight (PS4/PS Vita)

Uma das características mais marcantes da franquia de JRPGs Persona é a sua trilha sonora contagiante e muito bem produzida, sendo que cada título da série tem identidade musical própria. Pensando nesse detalhe e aproveitando a popularidade de Persona, a Atlus decidiu lançar spin-offs de ritmo baseado nos jogos da franquia. Persona 3: Dancing in Moonlight e Persona 5: Dancing in Starlight colocam os personagens de Persona 3 e Persona 5 para dançar ao som da música dos jogos. É fácil notar que os fãs de Persona são o público alvo desses títulos, porém uma jogabilidade divertida, trilha sonora notável e atmosfera estilosa os tornam acessíveis para todo tipo de público.
Continue Lendo “Análise: Persona 3: Dancing in Moonlight & Persona 5: Dancing in Starlight (PS4/PS Vita)”

Análise: Super Hydorah (Multi)

Super Hydorah é um shoot’em up de progressão lateral claramente inspirado em clássicos do passado, como Gradius. Mesmo usando títulos de outrora como base, o jogo apresenta várias ideias únicas e bem executadas, sendo seu grande destaque a diversidade de situações. E como é de praxe, a jornada é bem difícil, porém muito recompensadora. Continue Lendo “Análise: Super Hydorah (Multi)”

Análise: Timespinner (Multi)

Metroidvania é um gênero muito explorado no cenário indie dos últimos anos com inúmeros lançamentos de renome. Timespinner é mais um representante desse tipo de aventura e tem como diferencial a temática de viagens no tempo: elas são exploradas em mecânicas de jogo e também na narrativa. Produzido por um único desenvolvedor, é um título que explora de ótima maneira os conceitos principais do gênero ao mesmo tempo em que oferece uma atmosfera que remete à era 16 bits. Continue Lendo “Análise: Timespinner (Multi)”

Análise: Iconoclasts (Multi)

Iconoclasts, em uma primeira olhada, parece ser um jogo vindo direto da era 32 bits com seus gráficos coloridos e pixel art detalhada. Esforço de um único desenvolvedor, que levou sete anos para terminar o trabalho, o título explora vários conceitos consagrados, como plataforma, mapas repletos de segredos e habilidades que permitem revisitar áreas anteriormente inalcançáveis. Pode parecer mais do mesmo, porém Iconoclasts tem algumas características que o destaca em relação a outros jogos do gênero. Continue Lendo “Análise: Iconoclasts (Multi)”

Análise: SteamWorld Dig 2 (Multi)

 

SteamWorld Dig apareceu sem nenhum aviso e foi um grande sucesso: o título de mineração e plataforma cativou jogadores e foi lançado para vários consoles. Depois de um ótimo spinoff de estratégia, a desenvolvedora Image & Form resolveu investir em uma continuação direta. SteamWorld Dig 2, lançado para PC, PlayStation 4, PS Vita e Nintendo Switch, mantém a forma básica ao mesmo tempo em que adiciona novidades e ameniza vários dos problemas do original. O resultado é uma experiência familiar, viciante e variada. Continue Lendo “Análise: SteamWorld Dig 2 (Multi)”

Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)

Ys é uma franquia de RPG criada pela Nihon Falcom em 1987, com inúmeros jogos lançados até hoje. Ys VIII: Lacrimosa of Dana, lançado para PlayStation 4, PS Vita e PC, é o oitavo título da série principal e apresenta todos os conceitos básicos e familiares da franquia ao mesmo tempo em que introduz algumas novidades. Com personagens cativantes, história interessante e excelentes sistemas de jogo, Lacrimosa of Dana é uma experiência viciante. Continue Lendo “Análise: Ys VIII: Lacrimosa of Dana (Multi)”

Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)

Persona 4 Golden (PS Vita) é um dos meus RPGs favoritos de todos os tempos. Gostei demais de acompanhar Yu Narukami e seus amigos em uma aventura com ótima história, sistemas de jogo viciantes e personagens carismáticos. Também sou fã de jogos de ritmo, logo tratei de conferir Persona 4: Dancing All Night, o spin off musical de P4 para PS Vita. Gostei bastante do jogo, principalmente por conta da excelente trilha sonora e jogabilidade intensa. Continue Lendo “Análise: Persona 4: Dancing All Night (PS Vita)”

Análise: Darkest Dungeon: The Crimson Court (Multi)

Darkest Dungeon é um misto de RPG e dungeon crawler com grande foco na sanidade mental dos heróis: depois de verem tantos horrores, o estresse toma conta deles e tudo pode acontecer. O jogo é uma experiência tensa e bem única, e está disponível para PC, PlayStation 4 e PS Vita.

Agora, a desenvolvedora Red Hook lançou uma expansão para o título, de nome The Crimson Court. O foco do DLC é uma nova área repleta de criaturas loucas por sangue, em uma espécie de interpretação macabra de vampirismo. Além da inclusão de conteúdo inédito, a expansão introduz também mecânicas que alteram significativamente o jogo. O resultado é uma experiência diferenciada, sem deixar de lado a premissa original da tensão constante. Continue Lendo “Análise: Darkest Dungeon: The Crimson Court (Multi)”