Nos ouvidos #6: sakanaction — Tabun, Kaze. / Shin Takarajima

Sempre gostei de música japonesa, pois sempre tive a sensação que os artistas nipônicos colocam um pouco das peculiaridades culturais do país em suas composições. sakanaction (サカナクション) é um bom exemplo dessa características e é uma das minhas bandas japonesas favoritas, principalmente por conta do som bem único criado por eles. Continue Lendo “Nos ouvidos #6: sakanaction — Tabun, Kaze. / Shin Takarajima”

Nos ouvidos #5: Metric — Gold Guns Girls

Conheci Metric por acaso em algum site sobre música. Na época, a banda canadense estava lançando o álbum Fantasies, e vi o clipe de Gold Guns Girls, uma das faixas do disco. Depois de ouvir essa música, fui atrás de conferir mais composições deles. Continue Lendo “Nos ouvidos #5: Metric — Gold Guns Girls”

Nos ouvidos #4: We Were Evergreen — Best Thing

We Were Evergreen é uma banda francesa de música alternativa, uma combinação de indie, eletrônico e pop. Conheci por um colega, que descreveu a música deles como “um som extremamente hipster” — concordo quase que completamente com ele. O que mais gosto em We Were Evergreen é a mistura de instrumentos bem inusitada e as melodias únicas, quase exóticas. Gosto, também, do cuidado deles ao produzir seus clipes. Até o momento o grupo lançou três EPs e um álbum chamado Towards. Continue Lendo “Nos ouvidos #4: We Were Evergreen — Best Thing”

Nos ouvidos #3: Kate Bush — How To Be Invisible

Kate Bush é uma cantora eclética: seus álbuns são difíceis de definir por conta da grande variedade de estilos presentes nas faixas. Gosto muito de sua voz, que ora é suave e misteriosa, ora é poderosa e aguda. Perdi as contas das vezes em que ouvi Hounds of Love, seu quinto álbum — acho ele incrível, principalmente as músicas Hounds of Love, Jig of Life e Cloudbusting.

Continue Lendo “Nos ouvidos #3: Kate Bush — How To Be Invisible”

Nos ouvidos #2: Fallulah — Bob Dylan

Gosto muito de Fallulah, uma cantora lá da Dinamarca. O som dela tem uma pegada meio indie e pop, repleto de melodias marcantes. O resultado são composições bem únicas que eu adoro. A garota, cujo nome real é Maria Apetri, já produziu três álbuns, sendo Perfect Tense o lançamento mais recente — e é dele que vem minha recomendação de hoje. Continue Lendo “Nos ouvidos #2: Fallulah — Bob Dylan”

Nos ouvidos #1: Ladyhawke — Let It Roll

Ladyhawke é uma das minhas cantoras favoritas de todos os tempos — perdi as contas do quanto ouvi seu primeiro álbum, sendo que Paris is Burning é uma das músicas que mais ouvi na vida, esse fato está lá registrado no Last.fm. Sempre gostei da pegada meio oitentista dela, uma mistura boa entre guitarras e sintetizadores, com melodias bem marcantes. Foi com muita surpresa que recebi o anúncio de que ela estava produzindo um terceiro álbum, intitulado Wild Things. Continue Lendo “Nos ouvidos #1: Ladyhawke — Let It Roll”