Resenha: O assassinato do comendador (Vol. 1), de Haruki Murakami

“Para falar a verdade, até aquele momento eu acreditava que as obras nihon-ga sempre retratavam o mundo de maneira estilizada e serena. Tinha a visão limitada de que a técnica e os motes desse estilo não se prestavam a expressar emoções intensas, fazendo parte de um mundo totalmente distinto do meu. Entretanto, ao ver O assassinato do comendador, me dei conta de que isso não passava de um preconceito infundado. Naquele duelo mortal retratado por Tomohiko Amada existia algo capaz de abalar profundamente o observador. Um homem vitorioso, outro vencido. Um homem que fere, outro que é ferido. O contraste era algo que chamava a atenção. Aquela pintura tinha algo de especial.” (Pág. 75)

Eu estava bastante ansioso para conferir O assassinato do comendador, o primeiro romance inédito de Haruki Murakami em anos. A premissa inusitada, o estilo característico do autor (que é um dos meus favoritos) e alguns comentários positivos me deixaram muito curioso. No Brasil, a obra, que é um pouco longa, foi dividida em duas partes. Conferi o Volume 1 e é praticamente o que eu imaginava, por mais que eu esperava um pouco mais. Continue Lendo “Resenha: O assassinato do comendador (Vol. 1), de Haruki Murakami”

Anúncios

Resenha: Matéria escura, de Blake Crouch

“Não há avisos quando tudo está prestes a mudar, a ser tomado de você. Nenhum alerta de proximidade, nenhuma placa indicando a beira do precipício. E talvez seja isso o que torna a tragédia tão trágica. Não é apenas o que acontece, mas como acontece: um soco que vem do nada, quando você menos espera. Não dá tempo de se esquivar ou se proteger.”

Múltiplos universos é um assunto que me fascina (e me assusta), pois fico imaginando as várias possibilidades da possível existência desse conceito. Matéria escura, romance de Blake Crouch, explora a premissa de multiversos em uma história bem pensada e de ritmo acelerado. Reviravoltas surpreendentes e um texto ágil me conquistaram, foi um livro que li em um curto espaço de tempo.

Continue Lendo “Resenha: Matéria escura, de Blake Crouch”

Resenha: O Labirinto dos Espíritos, de Carlos Ruiz Zafón

“Nunca nos damos conta do vazio em que deixamos passar o tempo enquanto não vivemos de verdade. Por vezes a vida, não os dias queimados, é só um instante, um dia, uma semana, um mês. Sabemos que estamos vivos porque dói, porque de repente tudo importa e porque quando esse breve momento se acaba, o resto da existência se transforma numa recordação à qual tentamos em vão regressar enquanto nos resta alento no corpo.”

Lembro-me com clareza o quanto eu fiquei absorto em A Sombra do Vento. O romance de Carlos Ruiz Zafón me conquistou com sua narrativa intrincada, ótima trama e personagens memoráveis — gostei demais de me perder por uma Barcelona sombria e repleta de mistérios. Acompanhei com afinco toda a série “O Cemitério dos Livros Esquecidos”, e agora, mais de dez anos após a leitura primeiro volume, conferi o fim da tetralogia com O Labirinto dos Espíritos. O livro tem todas as ótimas características do autor com uma história com ambientação impecável e ótimo ritmo, o que tornou a experiência muito envolvente. Continue Lendo “Resenha: O Labirinto dos Espíritos, de Carlos Ruiz Zafón”