Análise: Exist Archive: The Other Side of the Sky (PS4/PS Vita)

O título combina vários conceitos e usa uma série clássica como inspiração para criar uma jornada curiosa e interessante.

Anúncios

Exist Archive: The Other Side of the Sky é um JRPG para PlayStation 4 e Vita que não nega as suas origens. O jogo, que é um esforço conjunto das produtoras tri-Ace e Spike Chunsoft, é claramente baseado na série Valkyrie Profile. Os conceitos básicos de exploração, combate e até mesmo alguns temas da trama de Exist Archive são bem parecidos com os apresentados nas aventuras das valquírias. Entretanto, o título tem várias características únicas que lhe confere identidade própria. O resultado é uma aventura divertida, mesmo que com alguns problemas.

Em um mundo estranho

A trama de Exist Archive é no mínimo curiosa. Um grupo de 12 pessoas sofre um acidente em uma explosão em Tóquio, mas ao invés de morrer eles vão parar em um planeta chamado Protolexa. Lá eles descobrem que cada um deles tem dentro de si um fragmento da alma de Yamatoga, um deus imortal maligno. Foi por conta disso que eles foram transportados para esse mundo e acabam no meio de uma disputa entre entidades poderosas. Liderados pelo jovem Kanata, é no meio desse conflito que os heróis vão tentar descobrir uma maneira de voltar para a Terra, por mais que isso se revele bem mais complicado do que parece.

Para alcançar seus objetivos, Kanata e seus amigos precisam ajudar Amatsume, a guardiã desse planeta — e que é também a responsável por dividir a alma de Yamatoga e por transportar os personagens para Protolexa. Sendo assim, os heróis exploram o planeta em busca de cristais de energia para recuperar o poder da guardiã. Toda premissa do jogo é em cima desse conceito, sendo a ação dividida em missões que são selecionadas em um simples menu principal.

Há vantagens e desvantagens nesta abordagem. Por um lado, a experiência é focada em pequenas partidas de alguns minutos, o que traz certa agilidade ao jogo. Em contrapartida, simplesmente escolher missões em um menu traz uma sensação desconexa de uma ambientação mal desenvolvida — nada de uma área principal para se explorar e nem NPCs para interagir. Por sorte, o jogo tem outras características que ajudam a combater isso e o resultado é bom. No fim das contas, me acostumei a selecionar missões em um menu e até aprecio a agilidade que isso proporciona.

Desbravando ilhas flutuantes

A exploração nas missões de Exist Archive funciona como um jogo de plataforma 2D. Controlando diretamente um dos heróis, temos que visitar os vários locais do planeta. Há sessões de plataforma, sendo que alguns locais só podem ser acessados após adquirir certas habilidades. Vários inimigos estão espalhados pelos estágios e boa parte das missões conta com chefes no final.

No começo da aventura os personagens não têm nenhuma habilidade de locomoção, o que deixa tudo lento e cansativo. O resultado são missões iniciais que basicamente consistem em enfrentar um monte de inimigos em sequência. Conforme a história avança, novas habilidades aparecem e a experiência fica mais agradável. Uma dessas técnicas chama-se Bind Sphere e permite prender um inimigo em uma esfera de energia, o que permite escolher que monstros enfrentar. Logo depois também é possível utilizar esses orbes para se lançar pelo ar e alcançar locais de difícil acesso.

Confesso que, para mim, o jogo só ficou mesmo interessante a partir desse ponto. Antes disso, eu praticamente era obrigado a lutar contra todos os inimigos para avançar e a exploração era extremamente limitada (e sem graça). Com essas habilidades, eu escolho quando lutar e como me locomover. Além disso, é divertido se lançar pelos estágios em alta velocidade em busca de segredos e caminhos alternativos. Fiquei com vontade de explorar todos os lugares — o jogo incentiva isso, já que a porcentagem explorada do mapa provê itens especiais.

Muitas missões, pouca variedade

Um dos maiores problemas do jogo é a estrutura das missões, em combinação com o desenho dos níveis. As missões se dividem em dois tipos: derrotar um chefe ou coletar um cristal especial (que, às vezes, está guardado por um chefe). Sendo assim, você passa o jogo todo praticamente fazendo a mesma coisa. O ritmo em que a trama avança é um tanto inconsistente e há momentos em que as missões de história estão bem espaçadas entre si. Enquanto elas não aparecem, você é obrigado a revisitar os estágios com desenvolvimento mínimo de trama.

Para piorar, a variedade de mapas é bem reduzida e as fases são reaproveitadas o tempo todo, contando somente com algum elemento, como chuva ou iluminação noturna, para tentar convencer que as áreas são diferentes. Além do mais, o level design é desinteressante, apresentando um monte de locais planos com plataformas ali e aqui, sem puzzles para resolver ou coisa parecida. Com as habilidades fica um pouco menos tedioso revisitar as fases, mas é um pouco chato ficar explorando repetidamente os mesmos mapas.

Enquanto o conceito geral é bem diferente, com um planeta exótico como local da história, a direção de arte não segue a mesma inspiração. Kanata e seus amigos exploram os lugares básicos de JRPGs: florestas, cavernas e ruínas. O visual, na maior parte do tempo, é bem genérico e sem muita inspiração. Graficamente o título é competente, com algumas localidades belas e outras bem esquecíveis. É uma situação infeliz, pois Protolexia tem ambientes curiosos, com plataformas e cristais flutuando de maneira interessante — uma pena que os ambientes das missões não saem do lugar comum.

Essa combinação de fatores pode deixar o jogo cansativo a longo prazo. Há também um pouco de level grind e foram vários os momentos em que precisei completar objetivos opcionais para treinar os meus personagens e conseguir equipamentos melhores. Mesmo assim, revisitei várias vezes algumas fases em busca de segredos, principalmente após liberar mais habilidades de exploração. E como boa parte dos JRPGs, o título tem grande quantidade de conteúdo. São inúmeras missões opcionais, vários finais e muitas cenas para ver. Além disso, há um curioso modo speed run: derrote chefes o mais rápido possível, com direito a leaderboards online e recompensas especiais.

Batalhas frenéticas repletas de combos

Os combates de Exist Archive misturam turnos com mecânicas em tempo real e é facilmente minha característica preferida do jogo. Você controla um grupo de quatro personagens, cada um deles associado a um dos botões principais do controle. Para atacar, basta apertar o botão correspondente ao herói desejado, sendo que cada golpe consome um pouco da barra de ação. Quando ela acaba, é a vez dos inimigos e os protagonistas podem se defender.

O legal é atacar no momento certo e combinar os diferentes golpes dos personagens. A parte mais divertida do combate é justamente fazer longas sequências sem deixar o inimigo cair no chão. O jogo incentiva isso: atacar inimigos no ar aumenta a taxa de obtenção de itens, já conseguir atacar inimigos que estão caídos no chão aumenta a experiência recebida. Golpear de qualquer jeito até funciona, mas para ter as melhores recompensas é importante ficar atento a tudo. E você vai querer as recompensas: a principal maneira de conseguir equipamentos e itens é derrotando inimigos. Quanto melhor o desempenho em combate, maior é a qualidade dos itens recebidos.

Há também grandes ataques especiais chamados Demon Greed que só podem ser ativados por meio de um contador. O interessante é que combos maiores preenchem essa barra mais rapidamente, o que incentiva, mais uma vez, a atacar de maneira inteligente. E é muito recompensador fazer uma sequência bem longa e finalizar com um ataque especial de visual elaborado. Por fim, existe a possibilidade de alterar a formação da equipe em batalha: quem está na frente recebe bônus de ataque, já quem fica atrás tem mais defesa e recuperação de HP. Confesso que achei esse recurso pouco útil e raramente precisei utilizá-lo.

Muita estratégia e algumas limitações

Cada personagem é de uma classe distinta e tem ataques bem diferentes. São 12 classes divididas entre combate próximo, ataque com projéteis e feitiços, logo a variedade de estratégias é grande. Há também várias habilidades a serem desbloqueadas que conferem vários bônus e ataques especiais. Chega um momento em que é possível até mesmo trocar as classes dos personagens, o que deixa tudo ainda mais flexível. Gostei muito de experimentar as várias combinações de classes e combos, tentando sempre encontrar a melhor sinergia entre os meus heróis.

Um problema dos combates é que a maioria dos inimigos é bem fácil de derrotar: simplesmente ataque e pronto. Alguns monstros exigem técnicas específicas (como uma bola cheia de espinhos que só pode ser acertada à distância), mas eles são poucos. A dificuldade, então, fica em derrotar os inimigos certos com poucos ataques, já que alguns têm golpes capazes de acabar com o grupo rapidamente. Sendo assim, sempre me esforcei em tentar derrotar os inimigos de maneira efetiva.

Um diverso e carismático grupo de heróis

Fora o combate, os protagonistas foram um dos maiores incentivos em continuar jogando Exist Archive. Conforme a história avança, conhecemos pouco a pouco cada um e eles se desenvolvem de duas maneiras. A principal delas é por meio de cristais especiais espalhados pelas fases, que mostram diálogos de quando eles estavam na Terra, revelando detalhes de seus passados e suas relações com outras pessoas — o legal é que a voz sai do controle do PS4, ajudando na sensação de se estar ouvindo algo distante. A outra maneira são conversas entre eles que podem acontecer após as missões e elas ajudam a demonstrar os relacionamentos entre os heróis. São pequenas conversas divertidas que ajudam a desenvolver suas personalidades. Me afeiçoei rapidamente aos personagens e sempre quis conhecê-los melhor.

Outro destaque é o design dos protagonistas. Cada um deles tem visual bem marcante, refletindo bem a sua personalidade. Kanata, por exemplo, tem a aparência estoica de um protagonista, ao mesmo tempo em que usa uma roupa estilosa e cara (o que remete ao fato de sua família ser abastada). Já Suzaku é uma modelo e usa roupas bem extravagantes. E Ren é um típico nerd, com um moletom imenso com orelhas de gato. Cada personagem conta com uma linha colorida de neon em alguma parte da roupa, o que ajuda a deixar cada um bem único. Ademais, todos contam com ótima dublagem, o que ajuda no reforço de suas personalidades — as vozes em japonês também estão inclusas no jogo.

Uma pena que os modelos in game sejam bem simples, lembrando o estilo super deformed (corpo pequeno, cabeça grande). Na verdade, leva um tempo para acostumar com os modelos dos personagens, que parecem bem esquisitos em uma primeira olhada. Particularmente eu preferiria que tivessem utilizado modelos mais detalhados e próximos das artes dos personagens.

Aventura única e divertida

Exist Archive: The Other Side of the Sky é um JRPG competente e com boas ideias. O título é claramente inspirado em Valkyrie Profile, contudo ele apresenta características próprias que o tornam bem único: mais opções na construção das habilidades dos heróis, nuances e novidades nos combates e narrativa diferenciada. Gostei muito de explorar Protolexa, principalmente por conta do ótimo sistema de batalha e do cativante grupo de heróis. Há pouca variedade de mapas, áreas e inimigos, o que pode deixar as coisas um pouco repetitivas. Porém, isso é compensado um pouco pela presença de muito conteúdo e de personagens interessantes. Mesmo com alguns problemas, Exist Archive é um título divertido e perfeito para aqueles que procuram um JRPG diferente.

Versão utilizada na análise: PlayStation 4

Um comentário em “Análise: Exist Archive: The Other Side of the Sky (PS4/PS Vita)”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s