Resenha: Daytripper, de Fábio Moon e Gabriel Bá

Confesso que nunca fui de ler quadrinhos, principalmente por falta de interesse e de conhecimento. Eis que um dia vejo Daytripper na livraria e fiquei intrigado com a arte da capa, mas mesmo assim deixei passar. Tempos depois acabei esbarrando novamente na obra através de alguns textos e decidi que era hora de me aventurar.

Brás de Oliva Domingos tem só mais um dia de vida. Pode ser o dia em que ele conhece seu grande amor. Pode ser durante sua grande viagem da adolescência. Pode ser o dia em que ele começou a entender a família. Pode ser quando ele decidiu ajudar seu melhor amigo. Pode ser na velhice. Os grandes momentos da vida, a família de onde você vem e a família que você constrói, ser filho e ser pai, ter amor e ser amado. No trabalho de maior sucesso dos brasileiros Fábio Moon e Gabriel Bá, toda uma existência é contada em dez capítulos – dez dias – sob a sombra constante (e mágica) da morte.

daytripper_01

A premissa “Quais são os dias mais importantes da sua vida?” pode parecer clichê e batida (o que não deixa de ser um pouco verdade), entretanto a dupla paulistana Fábio Moon e Gabriel Bá explora o tema de maneira excelente. O primeiro acerto é Brás de Oliva Domingos, o protagonista da história. Brás é o filho de um grande escritor brasileiro e trabalha escrevendo obituários para um jornal, sendo que seu real sonho é ser um romancista conhecido. Ele é um cara comum, como eu e você, sempre enfrentando os dilemas e problemas cotidianos da vida. Bastam algumas páginas para se conectar completamente a ele. Quando você praticamente personificou Brás, ele morre. Sim, Daytripper retrata o dia mais importante da vida do jovem escritor: o último.

Isso não significa o fim da história, pelo contrário. Cada capítulo se passa em um momento diferente da existência de Brás: em um momento ele tem 41 anos, em outro ele tem 21 e assim por diante, nunca de forma linear. É como se cada trecho fosse uma história única e independente, um mini universo particular. Entretanto, as escolhas e ações do protagonista são perpétuas e influenciam a trama no geral. Pouco a pouco você monta a personalidade de Brás e percebe como cada fato mudou a vida dele. É fácil notar também como ele amadurece e como sua opinião muda durante os anos.

daytripper_02O que eu mais gostei em Daytripper foi a temática. É uma história sobre escolhas, consequências e a efemeridade da vida. O tempo todo Brás é confrontado e questionado sobre o que é realmente importante. Devo largar tudo por um grande amor? A vida é feita de decepções? Eu tenho mesmo que seguir os passos de meu pai e honrá-lo até o fim dos meus dias? Vale a pena cultivar certas amizades? Coisas simples, mas que influenciam nossas vidas para sempre. A obra também propõe uma reflexão sobre a fragilidade da vida: em muitos momentos Brás só percebe o que é de fato importante nos seus minutos finais. É melancólico sim, principalmente quando você questiona as coisas junto de Brás.

Além de uma trama e temática ótimas, Daytripper é visualmente impressionante. As ilustrações dos gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá são excelentes, repletas de cenas exóticas e belas paisagens, que oscilam entre o ordinário e o surreal, casando perfeitamente com os diálogos afiados e profundos. A colorização, feita por Dave Stewart, complementa o resultado final de maneira incrível, com cores que conseguem acentuar ainda mais a sensação de cada cena. O resultado não podia ser outro: Daytripper recebeu inúmeros prêmios e figurou por semanas nas listas de mais vendidos nos Estados Unidos, país onde foi publicado originalmente. Sim, os autores são brasileiros, mas a obra foi lançada primeiramente no exterior. Curioso ver que foi necessário fazer sucesso primeiro fora para depois ter espaço dentro do Brasil.

Daytripper é uma experiência incrível. A trama melancólica e verossímil fica martelando na mente, sendo inevitável ficar sem refletir sobre os temas abordados. Belo e bem acabado, é um quadrinho que dá vontade de ler várias vezes, sempre prestando atenção aos pequenos detalhes e ilustrações. Daytripper é um quadrinho que você precisa ter na sua estante, mesmo que ele seja o único.

daytripper_04

Anúncios

Um comentário em “Resenha: Daytripper, de Fábio Moon e Gabriel Bá”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s